11 julho 2013

Decifrando Libra

(Veiculado pelo Correio da Cidadania a partir de 11/07/13)

Paulo Metri – conselheiro do Clube de Engenharia

O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) publicou, no dia 25/6, a sua Resolução n. 5, na qual são aprovados os parâmetros técnicos e econômicos do edital e do contrato de partilha da produção para o campo de Libra.

Os técnicos conscientes da riqueza que este campo representa e do valor estratégico de se ter controle sobre o respectivo petróleo sabem que Libra deveria ser entregue através de contrato de partilha à Petrobras, sem leilão prévio, utilizando o artigo 12 da lei 12.351. Inclusive, esta entrega não precisaria ser feita agora e, sim, na época em que esta empresa já estivesse colhendo as receitas dos vários investimentos feitos no Pré-Sal e em outras áreas. A sociedade brasileira está abastecida de petróleo pelos próximos 40 anos graças à Petrobras, então, não há pressa para explorar o Pré-Sal. Aliás, nenhuma das recentes rodadas de leilões, assim como as próximas, precisariam ser realizadas. Atualmente, há um furor privatista descomunal.

Nesta Resolução, o CNPE fixou o bônus em R$ 15 bilhões e o percentual mínimo do “excedente em óleo”, ou seja, o “lucro líquido”, a ser pago à União pelo consórcio contratado com a cláusula de partilha da produção, em 40%. Antes desta resolução, apesar de ainda existir alguma discordância, especulava-se que um bônus de R$ 8 bilhões e um percentual mínimo do lucro líquido de 65% poderiam ser considerados como a convergência entre algo aceitável pelo mercado e satisfatório para o interesse público.

Segundo matéria de certo jornal econômico, “as contas da União neste ano (2013) só fecharão se a receita desse bônus ingressar nos cofres públicos. O superávit primário do governo central (...) não será alcançado sem a receita do Pré-Sal (Libra)”. Então, claramente, o governo brasileiro resolveu priorizar o problema de curto prazo em detrimento das repercussões no médio e longo prazo. Assim, o primeiro objetivo deste artigo é avaliar o que significa esta priorização do curto prazo.

Para atingir este objetivo, são comparadas as duas alternativas de valores dos parâmetros citados: (1) valores de “convergência entre mercado e interesse público” e (2) valores “contidos na Resolução n. 5 do CNPE”. Pode-se dizer que a decisão do governo correspondeu ao recebimento de um empréstimo de R$ 7 bilhões, que é o acréscimo do bônus em relação ao esperado (R$ 15 bilhões – R$ 8 bilhões), para ser pago durante a vida útil do campo, usando a diminuição de 25% do lucro líquido, que o governo abriu mão em relação ao valor esperado (65% - 40%). Armando o fluxo de caixa desta diferença de alternativas, pode-se verificar que o governo está recebendo um empréstimo com a taxa de 22% ao ano, acima da inflação, ou seja, está fazendo um péssimo negócio. Tudo em nome do fechamento das contas governamentais de 2013.

Outras observações sobre Libra no estágio atual das informações são as seguintes. Provavelmente, a Petrobras não conseguirá participar do leilão de Libra para ampliar sua parcela no consórcio, além dos 30% que já tem direito, por estar com recursos limitados. Sem ampliar a participação, ela já terá que pagar de bônus R$ 4,5 bilhões (30% de R$ 15 bilhões) e investir R$ 60 bilhões (30% de R$ 200 bilhões) durante a fase de desenvolvimento do campo. Esta é mais uma razão por que o leilão de Libra não deveria acontecer.

Assim, outra razão decorre do fato de a Petrobras só ficar com 30% do lucro líquido em óleo e os restantes 70% ficarem com as petrolíferas estrangeiras. Nenhuma outra empresa nacional deverá ter recursos para participar deste leilão. É inédito no mundo o leilão de um campo com 8 a 12 bilhões de barris conhecidos; e mais inédito, se for considerado que pouco usufruto será carreado para nacionais. Com exceção dos países militarmente ocupados.

Enquanto pessoas socialmente comprometidas esperneiam com a posição atual do governo brasileiro, forças antinacionais continuam na estratégia vitoriosa de dominação. Aliás, estas forças, desde que o setor do petróleo despontou, vêm insistentemente buscando tomar posse dos benefícios que ele traz. A campanha “O petróleo é nosso” e o suicídio do presidente Getúlio Vargas atrasaram muito esta dominação. A recente estratégia delas, de submissão dos políticos, desvirtuamento dos objetivos nacionais, controle total da mídia tradicional e cooptação da academia, tem dado resultados fantásticos, como a quebra do monopólio estatal, a aprovação da lei neoliberal 9.478, a entrega de cerca de 900 blocos do território nacional através desta lei, que repassa o petróleo para quem o produzir.

O presidente Lula, no seu segundo mandato, com a descoberta do Pré-Sal, demonstrou ter a compreensão da grandeza estratégica e financeira que o petróleo representa e, graças a seu empenho pessoal, 41 blocos desta área foram retirados da nona rodada às vésperas da sua realização, para esperarem a aprovação de uma lei melhor. Com seu peso político, conseguiu aprovar a lei 12.351, que, sem romper com o capital externo, busca trazer razoáveis benefícios para a sociedade brasileira, o que demonstra a lei 9.478 ser uma excrescência.

Entretanto, continua a insistência do capital internacional pela usurpação da nossa riqueza e só o fato de existirem três rodadas no presente ano bem demonstra seu sucesso. A nova conquista perseguida agora, pelo que se depreende do artigo de um porta-voz do capital estrangeiro, é a retirada da Petrobras da posição de operadora única do Pré-Sal, argumentando que isto seria só uma excepcionalidade para o caso de Libra. Este é mais um caso em que se objetiva derrubar o primeiro portão para, depois, invadir o castelo todo. A Petrobras ser a operadora única do Pré-Sal significa para os brasileiros mais compras no país e o fornecimento de dados confiáveis sobre o campo.

Infelizmente, a presidente Dilma, hoje, “privatiza e desnacionaliza” Libra. Trata-se de uma luta desigual e a presidente, que deveria nos dar apoio, é insensível aos nossos argumentos. Se a queda de popularidade da presidente significasse o surgimento de um candidato de esquerda com compreensão da importância da questão da soberania como forma eficaz de atendimento das necessidades da população, eu votaria neste novo candidato.

2 Comments:

At 5:11 PM, Blogger Adamilton said...


Não existe nada similar na História deste planeta, como o que está acontecendo no Brasil com os leilões de petróleo.
A desinformação orquestrada pelas Multinacionais, os meios de comunicação do Brasil e o Governo, nos leva a refletir o que mais nos espera.
O apoio de instituições que imaginamos fariam o papel de defender os interesses soberanos da Nação Brasileira, nos deixam estarrecidos. Votamos e apoiamos este governo na época das eleições com a confiança por ele afirmada que não iria efetuar os leilões de petróleo; e iria utilizar esta riqueza em benefício do Brasil e este, após eleito, faz justamente o contrário.
Nenhum presidente mesmo os da mais extrema direita chegou a tanto. Eles não chegaram nem aos pés do que Dilma e companhia estão fazendo. Comprometendo um futuro de esperanças para todos nós brasileiros por um míseros trocados.

 
At 5:36 PM, Blogger Adamilton said...

Não existe nada similar na História deste planeta, como o que está acontecendo no Brasil com os leilões de petróleo.
A desinformação orquestrada pelas Multinacionais, os meios de comunicação do Brasil e o Governo, nos leva a refletir o que mais nos espera.
O apoio das instituições que imaginávamos que fariam o papel de defender os interesses soberanos da Nação Brasileira, nos deixam estarrecidos. Votamos e apoiamos este governo na época das eleições com a confiança por ele afirmada que não iria efetuar os leilões de petróleo; iria utilizar esta riqueza em benefício do Brasil, do povo brasileiro; e este, após eleito, faz justamente o contrário.
Nenhum presidente mesmo os da mais extrema direita chegou a tanto. Eles não chegaram nem aos pés do que Dilma e companhia estão fazendo. Comprometendo um futuro de esperanças para todos nós brasileiros por uns míseros trocados. Quantas crises piores que esta que se nos apresenta atualmente no mundo globalizado nos já superamos devido ao nosso grande potencial mineral e agrícola. Tomando decisões favoráveis e criativas, como na grande crise do petróleo na década de 70, com a criação do Pró-álcool. E, mais recentemente, com a estratégia da PETROBRAS em pesquisar petróleo em águas ultra profundas.
Necessitamos de uma política pública que incentive a pesquisa nesse país, para desenvolver uma industria verdadeiramente nacional; produzindo tecnologia e produtos industrializados. Creio que somos capazes de responder aos desafios que irão se apresentar; exemplo as nações emergentes como Coréia do Sul, índia, China que é hoje uma grande potência econômica, superando até o Japão. O caminho para o nosso desenvolvimento está em nossas mãos com os recursos dos campos de petróleo.

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home